Aprender é a essência da vida

2013-03-18 22.40.51Estava outro dia vendo um vídeo de um filosofo de rua que admiro bastante, o Eduardo Marinho. Ele é um cara fora de série, que, resumidamente, abandonou sua vida pré-moldada para descobrir qual o real significado da vida. Um dia, perguntado por um antigo colega de faculdade se ele tinha encontrado esse significado ele disse que sim, que o significado da vida era aprender. Pensei como algumas coisas da vida são engraçadas, são tão simples, mas parece que não vemos – acho que é por isso que dizem que o óbvio precisa ser dito. Fiquei pensando se o Eduardo Marinho estaria realmente certo, e cheguei à conclusão que ninguém pode discordar dele. Como nosso real propósito não seria aprender? Vivemos cada dia uma experiência nova, e o que levamos da vida é a vida que levamos. A vida é viver os clichês da vida.

Bom, mas então, se o verdadeiro significado da vida é aprender, quanto mais tempo de nossas vidas dedicarmos ao aprendizado, mais estaremos indo atrás do que realmente importa. Lógico, simples, mas por que então isso é tão difícil de ser aplicado na prática? Porque não vivemos em busca de aprendizado?

A primeira resposta para isso é a clássica, porque recebemos estímulos errados, que nos levam a pensar que as coisas mais importantes da vida são as coisas. Só que não são. Como disse Tico Santa Cruz, “no Brasil não somos vistos como cidadãos, mas como consumidores”.

A segunda resposta é algo mais difícil de perceber: o ponto é que não sabemos aprender. Vivemos nossa vida no meio de tanta correria, tantas coisas para fazer que não conseguimos absorver o conhecimento que está à nossa disposição. O funcionamento de nosso cérebro pode ser comparado com o de um computador (ou o contrário). Recebemos uma informação, processamos, e, se for considerado relevante, a guardamos em nosso sistema, para que possamos consulta-la depois. O problema é que, para aprender, precisamos ter espaço disponível: é impossível gravar algo em um computador se sua memória estiver cheia, assim como é impossível aprender algo se a nossa cabeça estiver cheia de outras coisas.

Nosso cérebro funciona então como um espetacular computador, absorvendo conhecimento e o guardando quando considerado relevante. Toda essa informação aprendida vai para algum lugar de nosso sistema, e para acessá-la usamos algo como um Google interno: pesquisamos temas que fazem o conhecimento aprendido anteriormente surgir, e quanto mais acessamos esse conteúdo, mais ele se torna relevante. Temos como exemplo a letra de uma música que gostamos muito: não importa quanto tempo passe, ela estará lá gravada em algum lugar. Se, por outro lado, nunca precisamos novamente de uma informação aprendida, ela acaba se perdendo nas nossas memórias (como as fórmulas que aprendemos em álgebra).

Esse é o processo que acontece com a informação já aprendida, mas como se preparar para aprender no dia-a-dia? Bom, se o problema é que não podemos estar com a cabeça cheia para que uma informação nova possa entrar, a solução é bem simples: precisamos esvaziar nossa cabeça, ou melhor, nossa mente. Vejo que todo dia nossa mente se inicia como se fosse um quadro branco: durante o dia, então, vamos aprendendo coisas e anotando nesse quadro, até que chega a noite, e então vamos dormir. Quando dormimos, nosso cérebro vê tudo que anotamos no quadro, e então separa aquilo que é importante daquilo que não é. O que é considerado importante ele salva, o que não é, deleta. Mas, como então fazer com que nosso cérebro saiba o que é e o que não é importante, se ele salva ou apaga as informações enquanto estamos dormindo? Existe uma metodologia muito simples, que diz que, basicamente, para salvarmos uma informação devemos vê-la no mínimo duas vezes no mesmo dia. Vamos nos colocar no lugar do cérebro: ao parar e analisar nosso quadro cheio de anotações dos aprendizados do dia, se víssemos que algumas coisas estão anotadas duas vezes, isso não nos chamaria a atenção como algo importante? Pois é, é assim que nosso cérebro pensa, e é por isso que decoramos tantas letras de músicas e não decoramos tantas outras coisas que são muito importantes. Claro, esse não é o único meio de se gravar uma informação, mas com certeza é um meio muito eficiente. O que levar disso então?

1)      Para salvarmos algo, devemos vê-la no mínimo duas vezes no mesmo dia.

2)      Para conseguirmos anotar algo no nosso quadro branco devemos estar com ele limpo no início de cada dia, e não cheio de preocupações e pensamentos de dias anteriores.

3)      Nosso quadro branco tem um espaço limitado, portanto não podemos aprender tudo em um dia, mas ao mesmo tempo não podemos deixar de utilizar todo o espaço que temos cada dia de nossas vidas.

Analisamos como funciona o aprendizado no “passado” e no “presente”, mas e no “futuro”, ou seja, como estabelecer o aprendizado que queremos ter daqui para frente? Bom, nesse caso acredito que uma boa saída seja comparar o processo de aprendizado com uma viagem: temos um destino – sabemos até onde queremos aprender –, mas como vamos chegar lá – como vamos fazer para aprender tudo que precisamos – faz parte dos mistérios que só iremos descobrir ao fazer de fato a viagem.

Aprender é o significado da vida, e o aprendizado é o que nos faz crescer dia após dia, é o que nos faz sermos melhores hoje do que ontem, e melhores amanhã do que hoje. Sabemos agora o por que aprender, e se soubermos o que aprender e como aprender, teremos um caminho cada vez mais claro à nossa frente, e que leva direto ao encontro da essência da vida. Talvez não a todas as respostas, mas com certeza a um mar de descobertas, até porque aprender não é saber tudo: sábios não são aqueles que têm todas as respostas, mas aqueles que sabem fazer as perguntas certas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s