Ilusões

Os anos passam

Me vejo fazendo os mesmos versos
Caindo nas mesmas armadilhas
Fazendo as mesmas perguntas
Mesmo já sabendo as respostas

A placa no banco diz
Realize seus sonhos agora!
Mas a placa dentro de mim diz
“pare”
Espere a sua hora

Tudo fica mais claro
Mesmo sem o esclarecimento
Tudo fica mais confuso
Mesmo com o conhecimento

Mas são os mesmos truques
Os mesmos jogos internos
As mesmas vozes que eu ouço
Não o visto, mas estou dentro do terno

Estou preso a mim mesmo, é assim que me sinto
Eu já não quero mais abraços
Já não quero mais saber
Já não quero mais digitar pra poder escrever

Já me excluí do mundo
Mas não consegui sair
Não sei porque conto tantas histórias
Se ninguém quer ouvir

De quatro em quatro
Meus versos protestam
E prometem greve por tempo indeterminado
Pedem por aumento de rimas ricas e mais sentimento nas palavras
Eu bem que gostaria, mas não posso lhes oferecer isso
Se ao menos Eles me entendessem…

De dia eu durmo
E de noite eu acordo
Pra enfim perceber
Que nem tudo está trocado, o mundo continua no seu infinito trago

No chão moram todos os sonhos desse mundo
E nesse mundo os sonhos continuam no chão

No final, era tudo uma ilusão de ser ilusão
e eu, o ilusionista iludido
fui o único a ser surpreendido

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s